Artigos

Dores abdominais crônicas? Podem ser varizes pélvicas

Para algumas mulheres, dores intensas no abdômen inferior, principalmente durante ou após o ato sexual ou no período menstrual, podem ser sintomas de Varizes Pélvicas, doença caracterizada por uma dilatação de vasos e veias próximos aos orgãos sexuais.

As Varizes pélvicas não têm cura, mas possuem tratamento para controlar os sintomas, inclusive a dor intensa.

O que são Varízes Pélvicas e por que causam dor?

As dores abdominais causadas pelas Varizes Pélvicas costumam ser no “pé da barriga”, e podem se tornar crônicas. Trata-se de uma dilatação das veias que circundam o útero e os ovários, dificultando o retorno do fluxo sanguíneo para o coração, o que causa as dores.

Essa dor é diferente de outras por conta de algumas características, como a dor intensa, que piora apó ficar muito tempo em pé ou realizar algum esforço físico, mesmo assim, seus sintomas podem ser confundidos com de outros problemas ginecológicos. Outra característica importante é que a dor pode estar presente durante a relação sexual ou período menstrual.

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), as varizes pélvicas atingem cerca de 10 a 15% das mulheres e é o problema venoso mais comum, atrás apenas das varizes nos membros superiores.

Nas mulheres, essa doença surge, geralmente, por volta dos 30 anos, geralmente após uma segunda gestação. Inclusive, quantos mais gestações uma mulher tem, maior é sua variação hormonal e a pressão que ocorre nas veias da pelve, que pode ser uma das causas do surgimento das varizes Pélvicas, como veremos adiante.

As causas das Varizes Pélvicas

Embora a ciência médica não possua estudos que comprovem indiscutivelmente quais as causas específicas para o desenvolvimento das Varizes Pélvicas, é confirmado que existem problemas fisiológicos que favorecem sua progressão, como:

  • Genética: algumas mulheres podem apresentar uma tendência hereditária para esse enfraquecimento e dilatação das veias pélvicas, que pode ocasionar, ao longo dos anos, no surgimento das Varizes Pélvicas;
  • Gravidez: durante a gestação, para comportar o feto, o útero tende a se alargar, o que acarreta, naturalmente, na compressão das veias pélvicas. Por isso, mulheres que tiveram duas ou mais gestações têm maiores chances de desesnvolver varizes na região da pelve;
  • Distúrbio hormonal: mudanças hormonais, como menopausa ou distúrbios menstruais, também podem contribuir para o surgimento das varizes.
  • Refluxo de veia gonadal: a veia gonadal esquerda pode dilatar e perder a função das suas válvulas, e pode ser a origem das varizes pélvicas.
  • Compressão Venosa: tanto a veia Renal esquerda, quanto a Veia Ilíaca esquerda podem ser comprimidas por artérias contra a coluna ou contra a aorta, geralmente uma obstrução. E essa obstrução pode ser a causa de varizes pélvicas ou renais: Síndrome de Nutcracker (Renal) e Síndrome de May-thurner ou Cockett (veia Ilíaca).

As Varizes Pélvicas decorrem de um enfraquecimento da parede das veias pélvicas, dificultando a drenagem do sangue na região, podendo causar a forte dor que é uma característica da doença.

Identificando as Varizes Pélvicas

Os sintomas das Varizes Pélvicas, muitas vezes, podem gerar confusão por se assemelhar a outras doenças ginecológicas, e serem diversificados, como:

Dores intensas na região baixa do abdómen;
Intensificação da dor pélvica nos períodos pré-menstruação;
Dor durante a menstruação;
Incontinência urinária;
Alterações hormonais ou de fertilidade;
Inchaço;
Sensação de que a região íntima está mais pesada;
Aumento do fluxo menstrual;
Dor durante ou após o ato sexual;
Varizes na região da vagina, coxas e glúteos;
Cólica menstrual excessiva;
Dor abdominal após ou durante a realização de atividades físicas;
Aumento da dor após ficar muito tempo em pé.

É importante destacar que muitas mulheres Varizes pélvicas podem ser assintomáticas, ou seja, não apresentam nenhum sintomas. Por conta desses fatos, a melhor forma de diagnosticar a doença é através de exames periódicos e visitas ao médico especializado.

Gravidez e anticoncepcional

Como mencionado anteriormente, a gravidez é um dos principais fatores que podem acarretar no surgimento das Varizes Pélvicas, entretanto, é comum a dúvida se é possível engravidar ou tomar anticoncepcionais caso tenha a doença.

No caso dos anticoncepcionais, não há ligação direta entre o remédio e as varizes, não sendo proibido seu uso, entretanto, é sempre importante consultar um médico antes de tomar qualquer medicamento.

Já na gravidez, as varizes não interferem na possibilidade da fertilização, entretanto, é possível que os sintomas apareçam e se intensifiquem durante a gestação por conta do aumento da dilatação uterina causada pela alteração hormonal. Por isso é importante o acompanhamento seriado e uso de meia elástica na gestação.

Tratamento para Varizes Pélvicas

O melhor tratamento deve ser indicado por um médico especializado, podendo ser tanto com medicação oral, com o intuito de diminuir a dilatação das veias e amenizar a dor, ou cirurgia.

No passado, cirurgias abertas foram realizadas em pacientes com resultados duvidosos. Hoje em dia, técnicas menos invasivas como as endovasculares apresentam excelentes resultados. As embolizações são feitas por um cateter inserido em uma pequena veia no braço ou na virilha (um pequeno furo com agulha), e após identificar os vasos alterados, é realizada a obstrução das varizes com molas e esclerose das veias doentes com polidocanol (espuma), resolvendo a maior parte dos sintomas.

Em situações específicas, seu médico pode diagnosticar um compressão Vascular. Os nomes dessas patologias são conhecidos como compressão na Veia Renal (Síndrome de Nutcracker) e compressão da Veia Ilíaca esquerda (Síndrome de May-thurner ou Cockett). Essas compressões não são muito comum, mas que podem indicar um tratamento com implante de Stent Vascular. O implante de stent também é endovascular, isto é, realizado por um diminuto furo na virilha, resolvendo a compressão Venosa.

Mesmo com esses eficazes tratamentos, é mais indicado que não se espere chegar nessa situação, procurando manter hábitos saudáveis para prevenção.

Para preservar-se do surgimento de Varizes Pélvicas, procure realizar atividades físicas de baixa intensidade, como caminhadas, por, pelo menos, 45 minutos diários; controle do peso, buscar alterar a posição sentada a cada meia hora, movimentando-se para auxiliar na circulação; se estiver grávida, usar meia elástica e dormir de lado no intuito de diminuir a pressão do útero na veia; não beber ou fumar excessivamente; e, principalmente, consultar regularmente um médico.

Cuide-se para evitar o surgimento das Varizes Pélvicas, realize check-ups preventivos e não espere a dor surgir para procurar um especialista, agende sua consulta.

Cirurgia Vascular e Endovascular
Doutorado e Pós-doutorado USP
MBA - University of Pittsburgh / Katz
Pós-graduação em Liderança - Harvard Medical School

Atendimento

Além do atendimento particular, atendemos aos clientes de Planos de Saúde no formato Credenciado e também de Livre Escolha, que é uma nova forma fácil e prática para você ser atendido sem burocracia. Experimente!

Credenciado

Livre escolha: Fácil e Prático

Consulta Online

Consulta por video-chamada. Saiba como funciona:

Agende um horário pelo site, telefone ou whatsapp e efetue o pagamento da consulta

Na data e horário agendado você receberá o link da Saudevianet via e-mail ou Whatsapp

Ao final do atendimento você receberá via e-mail as prescrições, receitas e atestados

Consulta com direito a retorno online ou presencial no período de 30 dias

Localização

Av. República do Líbano, 314, Jd Paulista - SP

Ver mapa

Entre em contato

(11) 3168-0609 / 3078-1530 / 3078-4476

(11) 98161-4443

Concierge: (11) 91065-1958

Referência no tratamento de doenças vasculares de alta complexidade.

Os Tratamentos

Siga-nos

© Grupo Endovascular - Todos os direitos reservados

Site desenvolvido por Glogs - Agência Digital